Vieira do Minho Tv

Artigos

Barack Obama - Um breve resumo...

Jovem Barack ObamaFilho de Barack Hussein Obama, um homem negro do Quênia educado em Harvard e de Ann Dunham, uma mulher branca de Wichita, no Estado do Kansas, Obama fala de suas origens como um candidato "não convencional".

Nasceu em Honolulu, no Havai, em 4 de agosto de 1961. Os pais separaram-se quando tinha apenas dois anos. Morou na Indonésia enquanto criança, após a mãe se casar com um indonésio, e depois foi viver para o Havai, com seus avós brancos.

As idas e vindas deram, segundo sua própria opinião, as ferramentas necessárias para que se pudesse tornar um político hábil na hora de fazer coligações e traçar alianças.

"Ele movimenta-se entre vários mundos", afirmou a sua meia irmã, Maya Soetoro-Ng. "É o que fez em toda a sua vida".

"Sou filho de um homem negro do Quénia e de uma mulher branca do Kansas. Fui criado com a ajuda de um avô negro que sobreviveu à Depressão e combateu no exército de Patton durante a Segunda Guerra Mundial, e de uma avó branca que trabalhou numa linha de montagem de bombardeiros, em Fort Leavenworth, enquanto o seu marido servia no exterior", descreve-se Obama.

Pela sua família muçulmana, Obama enfrentou boatos de que seria também um muçulmano, religião que muitos americanos associam negativamente ao extremismo.
Os boatos foram reforçados com a divulgação de uma foto na qual Obama aparece com trajes típicos em visita ao Quénia, onde a sua família paterna mora.
Obama converteu-se, já adulto, ao cristianismo onde é membro da Igreja Baptista da Trindade Unida em Cristo, em Chicago. Os seus apoiantes acusaram a campanha de Hillary, sua rival na altura, pela divulgação da foto.
"Tenho irmãos, irmãs, sobrinhas, sobrinhos, primos e tios de todas as raças e matizes, espalhados por três continentes e, por mais que eu viva, jamais me esquecerei de que em mais nenhum outro país do planeta minha história seria possível", afirma Obama, sobre sua história familiar.

Sua avó, Sara, tornou-se uma celebridade no Quénia após a conquista da nomeação. Hoje, ela recebe diariamente dezenas de jornalistas para quem declara o orgulho que sente do neto.

Numa medida muito bem planeada da sua campanha, Obama prefere não utilizar o rótulo de presidente negro, tão citado pelos seus eleitores e pelos média. Cauteloso, ele não quer ficar estereotipado como candidato de um único eleitorado e arriscar perder importantes grupos demográficos do país.

Sua adolescência no Havai «foi marcada não só por uma destacada trajectória escolar, mas também por anos de contravenção. Naquela altura, Obama experimentou cannabis e cocaína, conforme afirma na sua biografia "Dreams from my Father: A Story of Race and Inheritance" (Sonhos de meu pai: Uma história de Raça e Herança).

Como previa, a história veio à tona quando Robert Johnson, fundador da Black Entertainment Television e fiel apoiador de Hillary lembrou do episódio dias antes das primárias da Carolina do Sul.
Na época, ele defendeu-se dizendo acreditar "que o americano médio sabe que o que alguém faz quando é adolescente, há 30 anos, provavelmente não é relevante na forma como vai desempenhar seu papel de presidente dos Estados Unidos".

Com um bom histórial escolar, Obama formou-se em direito na tradicional e prestigiada Universidade Harvard e trabalhou como professor e defensor dos direitos civis em Chicago antes de ser eleito senador por Illinois, em 2004.

Obama com famíliaFoi em Harvard que Obama conheceu a sua mulher, Michelle, com quem se casou em 1992. Numa campanha que prega o novo, Michelle é um dos triunfos de Obama. Negra e com formação universitária, Michelle é uma peça fundamental no processo eleitoral de Obama entre as mulheres.

O professor de ciência política Bruce Newmann, da Universidade De Paul, aponta a participação de Michelle como fundamental para mostrar que Obama é um democrata dos novos tempos, que coloca a sua mulher ao seu lado no palco dos eventos, e não apenas nos bastidores.

Obama e Michelle têm duas filhas. Malia, 9 e Sasha, 6 que aparecem nos média apenas nos momentos de grandes conquistas, quando Obama garantiu a nomeação democrata.

Ajudado por seu carisma e retórica refinada, Obama ganhou popularidade ao longo da campanha e foi o candidato que melhor soube utilizar as ferramentas da internet.

Obama assumiu a Casa Branca em 20 de Janeiro fortalecido não só pela vitória esmagadora, mas também pelo controle dos democratas no Congresso.
Como previsto pelas pesquisas, o partido obteve uma vitória relativamente tranquila sobre o Partido Republicano, na votação para a renovação da Câmara dos Deputados e para as 35 cadeiras do Senado.
Os democratas levaram pelo menos cinco novos senadores que antes eram ocupadas por republicanos, aumentando a maioria do partido na casa para 54 contra 40 republicanos. Na Câmara, eles já ultrapassaram a maioria de 235 cadeiras que já ocupavam, enquanto as projecções continuam a ser realizadas.

Os analistas são unânimes em apontar o fortalecimento do governo de Obama diante de uma maioria que, até mesmo pelo bem da imagem do partido, deve aprovar facilmente as medidas que o novo presidente lançar.
"Se as pessoas ainda têm dúvidas de que a América é o lugar onde as coisas são possíveis, que ainda acreditam que os sonhos dos nossos fundadores ainda estão vivos, se ainda questionam o poder da nossa democracia, esta noite é a sua resposta", resumiu Obama.